MSS: pontos críticos na adoção

13/nov/2018 16:00:00 Arcon MSSP, MSS

Empresas estão sujeitas a sofrer ataques cibernéticos a qualquer momento. Sequestro de dados, vírus, ataques de negação de serviço ou acesso não autorizado aos websites, invasões a sistemas corporativos, roubo de dados: a lista de possibilidades é imensa e a sofisticação dos atacantes é cada vez maior.

Uma coisa é certa: sabemos que os riscos cibernéticos nunca serão eliminados. Por isso mesmo, as empresas precisam se manter vigilantes e ágeis para operar em um ambiente de ameaças crescentes. O Gartner é taxativo ao dizer que, “no mundo digital, o ritmo de mudanças é rápido demais, impossibilitando a antecipação e defesa contra todos os tipos de ataque. Profissionais de segurança devem reconhecer que ocorrências de comprometimento são inevitáveis e que é melhor investir em capacidades técnicas, procedurais e humanas para detectar uma ocorrência de comprometimento”.

Considerando esse cenário de imensa diversidade de ameaças, o gerenciamento interno da segurança de TI pelas empresas não costuma apresentar a melhor relação custo x benefício, uma vez que exige recursos financeiros para manter uma proteção intensiva e especializada, 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Para proteger suas informações, e ao mesmo tempo manter o foco na geração de valor para seus negócios, cada vez mais as empresas têm optado por terceirizar suas estruturas de segurança com a adoção do modelo de MSS – Managed Security Services (serviços gerenciados de segurança).

No entanto, uma contratação equivocada pode colocar em risco seu ambiente corporativo, além de desperdiçar recursos financeiros. Por isso, antes de contratar um provedor, é recomendável avaliar com cautela alguns pontos críticos, como:

  • Reputação e experiência
  • Portfólio de Segurança
  • Infraestrutura com alta disponibilidade
  • Se possui contratos flexíveis de acordo com os níveis de serviços
  • Estabilidade financeira

Além disso, definir as expectativas certas estabelece uma base para o sucesso do projeto com o provedor de segurança que vai cuidar da sua operação.

 

Nova chamada à ação