Roubo de identidade: principal crime de violação de dados do mundo

roubo de identidade.jpg

Com os avanços da tecnologia e propagação das ameaças online, é crescente a preocupação da sociedade e dos especialistas em cibersegurança com o roubo de identidade. Entre os fatores que influenciam os ataques cibernéticos, o furto de informações pessoais entra no topo da lista. De acordo com o relatório do Breach Level Index, este foi considerado o principal tipo de violação de dados, com 59% do total das ocorrências em 2016.

Roubo de identidade é o termo utilizado para qualquer tipo de golpe que envolve perda de informações pessoais como números de cartão de crédito, senhas, nomes de usuário e dados bancários. O criminoso rouba informações pessoais para cometer fraudes, por isso, é tão importante que as pessoas se defendam e garantam a segurança dos seus dados. Muitas vezes o furto online é realizado por meio do phishing - ameaças virtuais que são enviadas com o objetivo de roubar informações e dados pessoais por meio de mensagens falsas. Para evitá-lo, é fundamental manter sistemas atualizados e não fornecer informações confidenciais pela internet.

De acordo com pesquisa recente da Trend Micro, o roubo de identidade foi considerado uma verdadeira mina de ouro para os cibercriminosos, alcançando a maior alta de todos os tempos em 2016 com danos estimados de até R$ 16 bilhões. Desse total, a pesquisa apontou que 41% dos crimes ocorre de perda ou roubo de dispositivos, 25% são de malware ou hacking e 12% surge de vazamento interno de dados.

 

Alerta máximo

Os criminosos são extremamente criativos e os golpes se desenvolvem de diversas maneiras, mas algumas épocas são especialmente exploradas, como as datas comemorativas nas quais são “distribuídos” cupons de descontos, vales-presentes e outras cortesias. Estatísticas da ClearSale apontaram que no Dia das Mães do ano passado, a cada R$100,00 em compras, R$3,26 foram tentativas de fraude no país. Isso ocorreu durante o período de consumo da segunda data mais importante para o comércio e propícia para os ataques por conta da grande movimentação.

Por isso, é importante entender que o furto é o começo de situações com consequências mais graves que podem surgir com o vazamento das informações particulares. Hoje, os cibercriminosos são capazes de tudo e a partir do momento que roubam dados bancários, tais informações podem possibilitar crimes ainda maiores, como fraudes de cartões de crédito e acesso ilimitado às operações bancárias.

 

O perigo nas redes sociais

As redes sociais são ambientes que muitas vezes podem facilitar o roubo de informações confidenciais. Os criminosos analisam as redes das vítimas para levantar mais informações e agir, criando perfis falsos para se aproximar dos amigos e familiares. Desta forma, o golpe ocorre sem o contato direto com o ladrão, mas de maneira silenciosa e desastrosa.

Muito utilizado pelos criminosos por conta do número elevado de usuários e popularidade, o WhatsApp tem sido continuamente explorado pelos criminosos. Um dos golpes envolveu a marca Nespresso e atingiu centenas de vítimas. Os criminosos enviavam mensagens nos grupos convidando os usuários a participarem de uma “promoção imperdível”, o que levava os interessados a clicarem em um link falso que espalhava vírus no celular ou computador da vítima.

 

Prevenção

Apesar do aumento dos índices do roubo de identidade, existem diversas maneiras de evitar esses ataques:

  • Entender os tipos de golpes e como eles se propagam
  • Confirmar as promoções nos sites oficiais das marcas
  • Possuir um sistema de segurança eficiente e atualizado

 

Infográfico - Roubo de Identidade